Home / Destaque / Quase 1.200 equipamentos de som são destruídos em Feira de Santana

Quase 1.200 equipamentos de som são destruídos em Feira de Santana

Um total de 1.126 equipamentos de som foram destruídos nessa quinta-feira (9), na Praça do Fórum, em Feira de Santana. A ação fez parte do Programa Feira quer Silêncio, da Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

Segundo o secretário Sérgio Carneiro, a maioria dos equipamentos destruídos era som automotivo.  Todos eles estavam apreendios por cerca de quatro anos e os donos não foram recuperar. Um trator passou por cima e esmagou todo o material.

Os demais equipamentos, caixas de sons por exemplo, foram doados para instituições.

Foto: Ed Santos/Acorda Cidade

Os equipamentos que foram destruídos são aqueles que foram apreendidos, e as pessoas não tiveram o interesse em recuperá-los. Não é justo que a gente fique a vida toda guardando esses equipamentos. Nós não temos espaço para isso. Queremos mandar um recado para a população: ‘Se tiver um equipamento de som, veja como usá-lo, a quem vai emprestá-lo e a quem vai alugá-lo. Porque se o equipamento for apreendido e a pessoa não recuperá-lo agora, pela nova lei, em 30 dias, o município fará um chamamento público por mais 30 dias, agora não mais esperando 3 ou 4 anos. Após 60 dias, a prefeitura já poderá doar a uma entidade filantrópica ou fazer a destruição“, afirmou o secretário.

Foto: Ed Santos/Acorda Cidade

Ainda de acordo com Sérgio Carneiro, quando um aparelho de som é apreendido pelo crime de poluição sonora, para ele ser devolvido, a Justiça determina o pagamento de uma multa ou a realização de serviços prestados à comunidade. Em Feira de Santana, para retirada do aparelho, o valor cobrado pela multa é de um salário mínimo.

A metade desse valor é destinada para a secretaria para o ressarcimento do serviço de guarda e vigilância do aparelho e a outra metade é destinada para uma instituição de caridade. Aqueles aparelhos que não são destruídos e podem ser utilizados por entidades filantrópicas serão encaminhados para doação em solenidade realizada até o final do mês pelo prefeito José Ronaldo de Carvalho.

Foto: Ed Santos/Acorda Cidade

O combate à poluição sonora tem sido realizado pela prefeitura, através da Secretaria de Meio Ambiente, Secretaria de Prevenção à Violência, Superintendência Municipal de Trânsito (SMT), em parceria com a Polícia Militar (PM), Polícia Civil, Ministério Público e Poder Judiciário.

Foto: Ed Santos/Acorda Cidade

O ambientalista frei José Monteiro Sobrinho considerou a ação de destruição dos aparelhos de som simbólica, porque não acaba de vez com a poluição sonora na cidade, porém, muito significatica.
Para ele, a cidade estava ensurdecendo com a tamanha quantidade de som em alto volume e Feira de Santana precisa de silêncio.

Foto: Ed Santos/Acorda Cidade

“O silêncio é boa parte da nossa paz, da nossa saúde física. É um gesto simbólico, e ao mesmo tempo um gesto concreto, pedagógico. Está ensinando muito. Que é preciso cuidar da saúde da comunidade. Não é cada um por si, cada um ouve som da altura que quer, a hora que quer, como quer sem pensar nos doentes, na comunidade, nas crianças, sem pensar na saúde da sociedade. É um gesto que está significando muito e está abrindo portas. É uma continuidade do que vem sendo feito para que cada dia mais Feira conheça o que é o silêncio educado que faz bem à alma e ao corpo”, concluiu.

Com informações do repórter Ed Santos do Acorda Cidade.

Fonte: Acorda Cidade

VEJA AQUI AGORA: Este é o seu canal de notícias no Youtube
RACÍSMO: “É coisa de preto”, Vídeo vazado mostra William Waack cometendo racismo

Deixe o seu Comentário

Comentários

Além disso, verifique

salvador_ville_patamares_foto_reproducao_b376d34745

Black Friday de imóveis: feirão tem ofertas a partir de R$ 4 mil

Tradicionalmente voltada para promoções de eletrodomésticos e eletrônicos, a Black Friday expande cada vez mais ...